Mulher faz novas revelações sobre pastor Samuel Mariano

Por Redação Além do Fato em 31/07/2021 às 01:36:17

Monalisa Feitosa de Sousa, 32 anos, apontada como amante do pastor Samuel Mariano, prestou depoimento em 21 de julho na 2º Delegacia Distrital de João Pessoa, Paraíba e contou detalhes de toda a polêmica envolvendo com o pastor. A polícia teria intimado ela para prestar esclarecimentos, após a ADBrás Paraíba denunciá-la por calúnia contra o líder religioso.

Monalisa começa dizendo que, a relação entre ela e seu esposo, Paulo Henrique Vieira da Silva, com o pastor Samuel sempre foi dentro da relação eclesiástica. Mas, antes de março deste ano, o religioso começou a "olhar pra ela de maneira diferenciada". Até que em um dia daquele mês, Monalisa recebeu mensagens de Mariano no seu WhatsApp pessoal. Os dois começaram a conversar, inclusive, Samuel revelou detalhes da história no passado e fez um pedido a ela.

"O pastor passou a historiar toda a sua vida informando que já foi presbítero, morou em uma igreja que levava uma vida regrada, e que só tinha conhecido sua esposa, e que nunca tinha se envolvido com outras mulheres, e não tinha usado drogas e bebida alcóolica, que não o visse como pastor e sim como um amigo, e indagou a interrogada se poderia confiar nela", diz um trecho do depoimento.

Segundo a mulher, a conversa se estendeu do período da manhã até por volta das 16h50. Além disso, revelou que Samuel Mariano teria dito "que ela ficava muito bem com uma saia cinza e que desenhava muito bem seu corpo", depois disso, teria dito a Monalisa que poderia dar dinheiro a ela para que pudesse comprar mais roupas.

Depois disso, os dois começaram a se comunicar frequentemente, ainda por WhatsApp, com envios de fotos, vídeos e ligações do aplicativo, mas nunca em ligação normal. Em uma determinada ligação de vídeo, Mariano perguntou à mulher "Você quer ver como estou?". Ao receber a resposta "Sim", Mariano logo exibiu seu corpo para ela. Monalisa relata que Samuel parecia estar no banheiro da sua igreja, com calça e cueca abaixo do joelho mostrando o pênis ereto e se masturbando. Ainda de acordo com ela, o religioso pediu que ela fizesse algo, porém desligou a ligação, pois "estava perplexa com o que estava presenciando". A ligação, segundo ela, teria durado aproximadamente 10 minutos.

Monalisa relata que o pastor voltou a ligar novamente em outras ocasiões, cinco para ser exato, sendo que em todas Samuel Mariano repetiu as masturbações, inclusive diretamente da cama da casa dele. Além disso, informou que o religioso nunca enviou fotos e vídeos de cunho sexual, pois segundo ela, Samuel tinha medo que ficasse registrado. Também, o religioso pedia para que ela apagasse o histórico de conversa entre os dois.

Ainda no depoimento ela revelou que o pastor Samuel Mariano realizou alguns depósitos bancários, via PIX, tanto para ela e seu esposo, com o intuito de ajudar o casal que passava por dificuldades financeiras. O valor transferido pelo religioso ao casal seria de aproximadamente R$ 3.000,00, valor que foi entregue a partir de março deste ano, após o início dos diálogos entre Samuel e Monalisa.

Ela disse ainda , que o esposo teve acesso ao seu celular em 22 de junho apesar da senha e teve acesso ao seu WhatsApp. Paulo Henrique viu parte das conversas entre ela e Mariano, além disso, conseguiu resgatar vídeos, fotos e áudios, além de fazer backups. Em uma das conversas resgatadas Mariano diz: "Estou aconselhando minha ovelha de P** Duro". Depois disso, Paulo teria chamado seus pais e os pais de Monalisa e realizaram uma reunião, onde Monalisa confessou o envolvimento com o pastor.

Diante da descoberta do marido, Monalisa decidiu conversar com o pastor e dizer o o que estava acontecendo, por meio de um telefone de uma amiga. Samuel teria pedido a ela que ajoelhasse e pedisse perdão a Deus. Ela revelou que neste momento, Samuel a humilhou, na tentativa de persuadir Paulo de apagar as provas ou saber onde estavam as provas. Mas, Monalisa não teria conseguido, e Mariano teria a ameçado.

"O pastor disse que não para tentar e sim conseguir. E que o fato não saísse das quatro paredes e que não gostaria que esse fato "estourasse". Que o pastor Samuel Mariano perguntou à interrogada o que ela tinha de mensagem no celular, pois ele iria verificar o que de fato ele também tinha", revela trecho do depoimento.

VEJA A INTEGRADO DO DEPOIMENTO

Fonte: Polêmica PB

Comunicar erro
Vacina - Governo Federal

Comentários